terça-feira, 16 de outubro de 2012

: : A Família KRÜGER em imagens : : = Os Arquivos da Casa dos Krüger =


: : A Família KRÜGER em imagens : :
= Os Arquivos da Casa dos Krüger =

Procurando nas casas de nossos parentes ou até mesmo junto ao Arquivo Histórico de Joinville, podemos encontrar - aqui e ali - fotos antigas ou jornais antigos que retratam aspectos da vida dos membros da Casa dos Krüger, este grupo familiar cujos primeiros registros apontam para o século XIV. As lembranças de cada um de nós são muitas e ainda não há, atualmente, nenhum site reunindo todas essas histórias do nosso passado.
Para tentar preencher esta lacuna e para compartilhar as memórias dos Krüger com os familiares e amigos desta antiga família, decidimos abrir um espaço oferecendo a todos um álbum de fotos intitulado "Arquivos da Casa dos Krüger." Se você também possui fotos interessantes e antigas, por favor, envie-nos com alguma legenda para que possamos publicá-las.

 

 O regente FRIEDRICH KRÜGER
seus filhos, sua cidade, seu tempo:

A Igreja da Paz, no centro de Joinville, em dois momentos: o primeiro, em junho de 1857 (no exato ano em que os Krüger imigraram para Joinville), quando do lançamento de sua pedra fundamental. E depois, em uma imagem atual. Nessa igreja luterana casaram-se os dois filhos mais velhos dos imigrantes Friedrich e Caroline Krüger: Wilhelm (Guilherme), em 1876, com Marie Henriette Wildner, e Gustav (Gustavo), em 1873, com Sophia Eggers.


A cidade de Joinville em 1866, apenas nove anos após a chegada dos Krüger. Na foto, a então Rua do Príncipe, com a igreja católica (atual Catedral) ao fundo.


A Kapelle Krüger (ou Banda Krüger), em rara fotografia datada de junho de 1873. Ao centro, o imigrante Friedrich Krüger (*1808 +1881), músico, regente e fundador da Kapelle, ladeado por seus 04 filhos (Rudolf, Gustav, Wilhelm e Eduard). Da esquerda para a direita, aparecem, portanto, as seguintes pessoas: sentados, Wilhelm (Guilherme) Krüger, Eduard (Eduardo) Krüger e um músico não identificado; e, em pé, Rudolf (Rodolfo) Krüger, imigrante Friedrich (Frederico) Krüger e Gustav (Gustavo) Krüger.


Anúncio publicado no Kolonie Zeitung (o "Jornal da Colônia", de Joinville), em 28 de dezembro de 1867, convidando para mais uma apresentação no Salão de Rodolfo Klatt da Kapelle Krüger, o grupo musical fundado e regido por Friedrich Krüger. O texto convida para dança e música ("Tanz - Musik"), em comemoração ao ano-novo de 1868, como segue:
"No dia de ano-novo se apresentará no 'Ulenhorst' (?), a Kapelle Krüger, em evento por mim organizado, e para o qual foi especialmente convidada.
Início - 4 horas da tarde. Às 9 horas (noite) haverá surpresa divertida.
R.W. Klatt"


O casal Guilherme Krüger (n. Wilhelm Carl Heinrich Krüger, *1849 +1922) e Marie Henriette Krüger (n. Marie Henriette Ernestine Wildner, *1853 +1902), cerca de 1890.


 Marie Henriette Ernestine Wildner-Krüger (*1853 +1902), cerca de 1880, em Joinville.


 Guilherme Krüger (n. Wilhelm Carl Heinrich Krüger, *1849 +1922), que imigrara com os pais e irmãos em 1857, com sua luneta inglesa. Presume-se que a foto seja do final do século XIX, à época das obras de construção de sua fábrica de conservas em Vila da Glória, pertencente a São Francisco do Sul-SC. As demais pessoas da foto devem ser sua esposa e filhos.


O imigrante Guilherme Krüger (*1849 +1922), ao lado de sua segunda esposa, Elsa Spritze, em fotografia data de 20 de janeiro de 1911.

 Elza Spritze Krüger, segunda esposa do imigrante Guilherme Krüger, já viúva, em fotografia datada de 21 de novembro de 1937.


Anúncio publicado no jornal Reform ("Reforma", de Joinville), de 1888, informando sobre um evento de "dança e música" ("Tanz - Musik") no dia 03 de novembro daquele ano, e de um "Grande Concerto" ("Grosses Konzert") no dia seguinte, 04 de novembro, ambos no Salão Kalotschke, em Joinville, e executados pela Kapelle Krüger, desde 1881 regida pelo músico Gustavo Krüger diante do falecimento de seu pai, o regente Friedrich Krüger.

Em 1915, aproximadamente, Sophia Krüger Köhler (n. Sophia Elisabeth Dorothea Eggers, *1852 +1929), viúva do imigrante Gustav Krüger (*1851 +1892), tendo ao lado seu 2º marido, Oskar Köhler (n. Carl Julius Oskar Köhler). Sob o nº "1", seu filho Friedrich Krüger (*1881 +1960) e, sob o nº "3", sua filha Camilla Krüger (*1890 +1925). Com o nº "5" aparece sua neta "Mause", apelido de Martha Sophia Elise Krüger (*1897 +?). Fotografia realizada por Alberto Diegel, de Joinville-SC.

 Sophia Krüger (nascida Eggers; *1852 +1929), esposa de Gustav Krüger (*1851 +1892), sendo, portanto, nora do regente Friedrich Krüger. Na foto, de fins da década de 20, já viúva e casada com Oskar Köhler.


Em fins do século XIX, o imigrante Eduard Krüger (n. Eduard Friedrich Heinrich Krüger, *1857 +?) e esposa, que fixaram residência em Itapetininga-SP. Fotografia realizada no estúdio Leuthold & Dursky, de Sorocaba-SP.



 FRIEDRICH KRÜGER e CAROLINE SCHWARZ KRÜGER
a geração dos netos dos imigrantes:


= Ramo de Wilhelm Krüger: os WILDNER-KRÜGER =


 Welma Krüger (*? +?), filha de Guilherme (Wilhelm) Krüger e neta dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Data incerta.


 Bárbara Krüger (*? +1983), filha de Guilherme (Wilhelm) Krüger e neta dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger, em 1920.


 As irmãs Philomena Krüger (*? +?) e Anna Krüger (*1890 +1970), filhas de Guilherme (Wilhelm) Krüger e netas dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Data incerta.


Na foto da esquerda, as irmãs Bárbara Krüger (*? +1983) e Anna Krüger (*1890 +1970); na foto da direita, Anna Krüger e Bárbara Krüger, respectivamente. Ambas são filhas de Guilherme (Wilhelm) Krüger e, portanto, netas dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Data incerta: talvez 1920.


 Em Ubatuba (São Francisco do Sul-SC), Anibal da Silva Martins (*1893 +1941) ao lado de sua esposa Maria Edwirgens Krüger (*1884 +1954) e da irmã desta, Anna Krüger (*1890 +1970), respectivamente genro e filhas de Guilherme (Wilhelm) Krüger e, portanto, genrete e netas dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Data incerta: talvez anos 30.


Rita Apolônia do Rosário Krüger (*? +?), esposa de Arestides Krüger (n. Arestides Carl Heinrich Christian Krüger, *1876 +?), sendo ela nora de Guilherme (Wilhelm) Krüger e noreta dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Os dois jovens da foto são seus netos, os gêmeos Amaury Krüger Torrens e Antônio Krüger Torrens. Data incerta, talvez 1949.



= Ramo de Gustav Krüger: os EGGERS-KRÜGER =


Germano Krüger (n. Hermann Wilhelm Ernst Ignaz Krüger, *1877 +1920), filho de Gustav Krüger e neto dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger, em fins do século XIX.


O maestro Rudolf Kohlbach (ao centro, sentado), que foi o primeiro maestro da Orquestra da Sociedade Harmonia-Lyra, de Joinville (orquestra fundada em 1899), em fotografia de 1900, com alguns de seus músicos. Dentre eles, Germano Krüger (n. Hermann Wilhelm Ernst Ignaz Krüger, *1877 +1920), na foto sob o número "2", e seu irmão Henrique Krüger (n. Heinrich Julius Hermann Adolf Anton Krüger, *1879 +1927), sob o número "1", ambos filhos de Gustav Krüger e netos dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger.


Em torno de 1900, Ferry Schwabe (n. Carl Eugen Ferry Schwabe, *1879 +1952), em fotografia tirada em Leipzig, Alemanha, à época de sua imigração para o Brasil. Era ele marido de Wilhelmine (Guilhermina) Krüger (*1887 +1954) e, portanto, genro de Gustav Krüger e genrete do regente Friedrich Krüger.


Em torno de 1900, Ferdinand Jacob Verkrüssen (*1882 +?), de pais holandeses, marido de Helena Krüger (*1881 +?) e, portanto, genro de Gustav Krüger e genrete do regente Friedrich Krüger.


As irmãs Wilhelmine Krüger-Schwabe (*1887 +1954) e Helena Augusta Ottilie Krüger-Verkrüssen (*1881 +?), em torno da década de 1920. Sendo filhas de Gustav Krüger, eram netas de Friedrich e Caroline Schwarz Krüger.


Frederico (Friedrich) Krüger (*1883 +1960), em Santos-SP, década de 1910. Era filho de Gustav Krüger e neto homônimo do regente Friedrich Krüger.


No início do ano de 1914, em Santos-SP, Helena Krüger-Verkrüssen (n. Helena Augusta Ottilie Krüger, *1881 +?) e Ferdinand Verkrüssen (n. Ferdinand Jacob Verkrüssen, *1882 +?), respectivamente filha e genro de Gustav Krüger e, portanto, neta e genrete dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger. Ao centro, seus filhos Henrique Jacob Verkrüssen (*1909 +1952), Ferena Verkrüssen (*1912 +2001) e Sibylla Paulina Verkrüssen (*1911 +1974).


Agnes Krüger (Agnes Marie Catharina Ida Pape-Krüger, *1887 +1929), junto ao filho Mauro Bolívar, em Santos-SP, cerca de 1925. Agnes era esposa de Germano Krüger e, portanto, nora de Gustav Krüger e noreta dos imigrantes Friedrich e Caroline Schwarz Krüger.

Helena Augusta Ottilie Krüger-Verkrüssen (*1881 +?), em fotografia datada de 06 de março de 1934, em Santos-SP. Sendo filha de Gustav Krüger, era neta de Friedrich e Caroline Schwarz Krüger.



= Ramo de Eduard Krüger: os FREITAS-KRÜGER  =


Em foto da década de 1910, aproximadamente, Cornélio Krüger, filho de Eduard Krüger e neto dos imigrantes Friedrich Krüger e Caroline Schwarz Krüger.

Em 1925, Cornélio Krüger, filho de Eduard Krüger e neto dos imigrantes Friedrich Krüger e Caroline Schwarz Krüger.


É proibida a reprodução do conteúdo deste blog para fins comerciais. Desde que autorizado pelo autor e sendo citada a fonte, é permitida a reprodução deste conteúdo para fins didáticos. Solicite autorização por e-mail: paulo_joinville@yahoo.com.br 

  solange@familiaplothow.com.br
Postar um comentário